O poder das palavras

10 jul

Devemos ter muito cuidado ao falar. É como pisar em caixas de ovos. Nunca devemos proferir palavras ingratas ou que magoem as pessoas sem motivo. A menos que seja para exortação devemos usar palavras duras. As palavras são como facas afiadas que deixam marcas profundas em nossa alma. Mas também servem como remédio se quisermos usa-las para isso. As pessoas são carentes de bons provérbios e frases de sabedoria e se você souber o momento certo para usa-las você estará ganhando um novo conceito com elas, mas principalmente estará ajudando-as.

Pela primeira vez estou entendendo o que significa temperar as palavras, escolhe-las na hora de formar uma frase e reproduzi-las de uma maneira mais suave e agradável. Darei um exemplo de como fazer isso. Da próxima vez que você perguntar a sua namorada onde ela está, experimento dizê-lo assim: – oi “amor”, o que estás fazendo de bom? Ao invés de perguntar: -Onde você está? Que soa como se estivesse infringindo sua liberdade, é inconveniente, agressivo e ainda demonstra um sentimento de posse e desconfiança. Parece coisa boba, mas uma pequena mudança na escolha das palavras e no tom da sua voz faz toda a diferença, ao meu ver. Lembre-se das coisas pequenas e simples, como um pequeno parafuso no leme de um enorme e pesado navio que é responsável por sua direção.

GHBN.

Anúncios

2 Respostas to “O poder das palavras”

  1. talyta nathana da costa veras julho 15, 2012 às 4:42 am #

    Muito bom!!! As palavras tem poder e lendo isso lembrei-me de uma história:
    Certa vez um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar
    um adivinho para que interpretasse o seu sonho:
    – Que desgraça, senhor! Exclamou o adivinho. – Cada dente caído representa a perda de um parente
    de vossa majestade.
    – Mas que insolente – Gritou o sultão, enfurecido. Como te atreves a dizer-me tal coisa? Fora daqui!
    Chamou os seus guardas e lhe ordenou que lhe dessem cem açoites.
    Mandou que trouxessem outro adivinho e lhe contou sobre o sonho. Este, após ouvir o sultão com
    atenção, disse-lhe:
    – Excelso senhor! Grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a
    todos os vossos parentes.
    A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo
    adivinho. E quando este saia do palácio, um dos guardas lhe disse admirado:
    – Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o outro adivinho havia feito. Não
    entendo porque o primeiro ele pagou com cem açoites e a você com cem moedas de ouro.
    E respondeu-lhe o homem:
    – Por certo, meu amigo, que ambos dissemos a mesma coisa. Porém, a diferença está na maneira, na
    forma, como eu disse a interpretação do sonho para ele…Lembre-se, meu amigo, que tudo depende
    da maneira como dizemos as coisas para os outros…

  2. talyta nathana da costa veras julho 15, 2012 às 5:10 am #

    I miss you, I’m not happy, I sacrificed my happiness for the happiness of others! Forgiveness …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: